Vencedor do prêmio Viva Voluntário, Centro Social da Rua monta chuveiros itinerantes e atende pessoas em situação de rua

Por Luana Moraes Amorim

Projeto já realizou 67 edições do Banho Solidário, atendeu 7863 pessoas e proporcionou 199 banhos 

Voluntários do Centro Social da Rua 

Foto: Centro Social da Rua

No inverno de 2015, Letícia Andrade foi à farmácia comprar remédio para sua gripe. O que parecia uma atitude normal para quem está doente, para a fundadora do Centro Social da Rua foi um abrir de olhos. Ela conta que ao retornar para casa, encontrou um morador de rua com os mesmos sintomas e pensou “como a gente é igual!”.  Após compartilhar os remédios com esta pessoa, para Letícia foi impossível não refletir sobre aquele momento. Alguns meses depois, quando ela se deparou com a iniciativa “Banho Solidário”, fundado por Carlos Lacerda na Bahia, sentiu que precisava levar o projeto para Porto Alegre.   

O projeto venceu o Prêmio Viva Voluntário em 2018, na categoria Voluntariado nas Organizações da Sociedade Civil.  

Com “muita vontade e sem nenhum tostão”, em suas próprias palavras, Letícia conta que se uniu a três amigas que acreditaram no projeto e saiu pelas ruas de Porto Alegre perguntando se as pessoas em situação de rua realmente queriam um local mais fácil de utilização para o banho. Elas desenharam um projeto, fizeram um financiamento coletivo na internet e hoje o Banho Solidário já possui 67 edições realizadas, 7863 pessoas atendidas e 199 banhos realizados no Rio Grande do Sul.

Como funciona o Banho Solidário em Porto Alegre? 

O primeiro banho foi realizado no dia 11 de Junho de 2016, véspera do dia dos namorados para, segundo Letícia, “ser um dia do amor justo, não só amor do voluntariado”. Com um reboque adaptado, o banho tem dois chuveiros, masculino e feminino, e estaciona em local de grande movimentação de pessoas. Os usuários recebem roupa, material de higiene, lanche, e quando há cabeleireiros voluntários participando, também corte de cabelo e barba. A ideia é que eles se enxerguem. “A frase que a gente mais ouve é: agora eu sou gente, agora eu consigo, agora estou bem”,conta Letícia.

Para a fundadora do Centro Social da Rua,  o banho traz visibilidade para essas pessoas que, muitas vezes, são “invisíveis” para a sociedade. Ela completa: “o banho também dá a todos a oportunidade de falar e serem tratadas como verdadeiros seres humanos”. Ela e os voluntários ouvem as pessoas por horas e a conversa, em geral, não é sobre o passado, mas sobre o que eles pensam e o que planejam para o futuro.

Do Banho Solidário para o Centro Social da Rua

Após perceber que as necessidades da população em situação de rua vão além do Banho Solidário, em agosto de 2017 o projeto cresceu e se tornou o Centro Social da Rua, com dez sócios, e o objetivo de expandir os serviços prestados para assistência jurídica, psicológica e banco de doações. Além disso, eles já implementaram uma nova etapa, a Lavanderia da Rua, que se propõe a oferecer um local móvel para lavagem e secagem de roupa das pessoas em situação de rua, visando proporcionar acesso fácil a máquina de lavar e secar roupa a tal população. Letícia explica que ter um lugar para lavar as roupas, não só diminui o descartes das peças mas também dá aos usuários um sentimento de ter algum bem próprio. 

A importância do Voluntariado

Cada edição do banho custa em média R$ 1.300 e os voluntário nunca tiram dinheiro do bolso, pois contam com doações. O Centro Social da Rua tem hoje com cerca de 140 voluntários permanentes ou pontuais que são recrutados com a premissa que sejam multiplicadores da ação, divulgando e convidando outras pessoas a participar para garantir um ciclo de renovação constante.

Letícia lembra que a proposta deles é que a sociedade civil se empodere do processo de mudanças sociais. “Como é que tu pode esperar que venha alguém e cate eles [pessoas em situação de rua] e vá resolver o problema? O problema é nosso como sociedade civil” afirma ela. E adiciona, “é a questão da ação: olhar, acreditar e fazer”

Quer apoiar o Centro Social da Rua? Então clique aqui e saiba como voluntariar.