Governo e PNUD anunciam vencedores do prêmio Viva Voluntário

Selecionados da sociedade civil, do poder público e líderes locais receberão apoio de R$ 50 mil da Fundação Banco do Brasil para futuros projetos em cerimônia no Dia Nacional do Voluntário 


Oito iniciativas de voluntariado brasileiras foram anunciadas, nesta sexta-feira (10), como vencedoras do prêmio Viva Voluntário, que valoriza projetos nacionais de impacto social em quatro categorias diferentes: líder voluntário, voluntariado nas organizações da sociedade civil, no setor público e nas empresas.

O prêmio faz parte do Programa Nacional de Voluntariado – Viva Voluntário, resultado de uma parceria entre o Governo Federal e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). A cerimônia de entrega dos troféus para dois vencedores de cada categoria acontece no próximo dia 28 de agosto, Dia Nacional do Voluntário, em cerimônia no Palácio do Planalto.

Além dos certificados destinados às organizações e personalidades responsáveis pelas ações de voluntariado, os selecionados das categorias voluntariado nas organizações da sociedade civil, voluntariado no setor público e líder voluntário receberão apoio da Fundação Banco do Brasil para apresentar projetos de até R$ 50 mil. Os vencedores foram escolhidos, segundo os critérios do Edital, entre 296 ações inscritas.

Na ocasião acontece, também, o lançamento da plataforma Viva Voluntário, site que funciona em formato de rede social para conectar cidadãos, empresas e membros sociedade civil que buscam ou promovem oportunidades de trabalho voluntário. A plataforma tem abrangência nacional e busca dar visibilidade a ações voluntárias que acontecem em todo o país possibilitando a junção entre organizações e voluntários.


Os vencedores

Na categoria que premia o voluntariado em organizações da sociedade civil, que teve o maior número de inscritos (143), foram selecionados os projetos Voluntários do Centro Social da Rua, de Porto Alegre (RS); e 25 Anos de Voluntariado Amigos do Bem, que atua em diversas cidades dos estados de Pernambuco, Alagoas e Ceará.

O projeto gaúcho é o criador do Banho Solidário, iniciativa que já teve 34 edições e proporcionou duchas quentes para 1.700 pessoas em situação de vulnerabilidade social, em geral moradores de rua, com a colaboração de 340 voluntários.

Já o Amigos do Bem foi condecorado por seu trabalho de mais de duas décadas promovendo ações solidárias para levar às famílias do sertão alimentos, roupas, brinquedos, medicamentos, bem como a prestação de serviços nas áreas de agronomia, engenharia, medicina, odontologia, jurídica, pedagogia, dentre tantas outras que colaboram para o desenvolvimento dos diversos projetos de transformação de vidas no sertão nordestino.

Entre as iniciativas do setor público, foram premiados o Núcleo de Apoio a Projetos Educacionais e Culturais (NAPEC), do Rio de Janeiro (RJ); e a Parceria com Instituições Sociais através de Chamada Pública Permanente, que acontece em seis cidades do estado do Paraná.  

O NAPEC foi reconhecido por promover espaços de cultura e educação por meio da introdução da literatura e atividades lúdicas para crianças e adolescentes hospitalizadas ou em acompanhamento ambulatorial visando o desenvolvimento integral da saúde de mulheres, crianças e adolescentes em situação de internação hospitalar. Já o projeto paranaense recebeu o prêmio por incentivar os colaboradores da Companhia Paranaense de Energia (Copel) a dedicarem, de forma voluntária, até 4 horas mensais de sua jornada de trabalho para realização de ações sociais e promover ações de voluntariado em parceria com  25 Instituições Sociais.

Na terceira categoria, voltada a ações de Voluntariado Empresarial, receberão o prêmio os programas de voluntariado Fundação Telefônica Vivo que conta com mais de 15 mil voluntários ativos e atuação nacional; e a iniciativa “Semeando o Futuro”, da Cargill que têm com 915 colaboradores e tem como foco promover a conscientização sobre alimentação saudável .

Por fim, na categoria Líder Voluntário, venceram o Coletivo de Mulheres Indígenas Artesãs Terena da Aldeia Tico Lipú, de Aquidauana (MS); e o projeto Curumim Cultural - Comum Idade Cultural, de Samambaia Norte (DF).

O primeiro se dedica à confecção de biojóias com sementes naturais e à implantação de um trabalho de resgate da língua terena voltado às crianças, jovens e adultos da Aldeia Tico Lipú. Já o Curumim Cultural visa a ocupação de espaços públicos, por meio do estímulo ao interesse de crianças, adolescentes e jovens pelo brincar, especialmente com brinquedos feitos por elas e em brincadeiras tradicionais de rua.